NOTA PÚBLICA

Esperamos que a decisão do ministro Edson Fachin em relação aos processos do ex-presidente Lula não se converta em elemento adicional de radicalização

08 de Março de 2021

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

Nota pública

A Transparência Internacional – Brasil espera que a decisão do ministro Edson Fachin, do STF, declarando incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba para julgar quatro processos que envolvem o ex-presidente Lula, não se converta em elemento adicional de radicalização no país. Instamos às lideranças políticas e a todos que lutam pela causa anticorrupção que rechacem qualquer ataque às instituições democráticas, discurso de ódio e exacerbação das cisões sociais.

É fundamental ainda que os questionamentos e correções aos processos da Lava Jato, necessários para a garantia de direitos, não comprometam a responsabilização devida de gravíssimos esquemas de corrupção, que causaram imensos danos às populações de mais de uma dezena de países.

A Transparência Internacional vem denunciando graves retrocessos da luta anticorrupção no Brasil, que implicam não apenas na impunidade de diversos processos pendentes na Lava Jato e outras operações, mas, muito mais grave, o desmanche de marcos legais e institucionais que o país levou décadas para construir.

Reafirmamos a necessidade de unirmos esforços para atacar as causas da corrupção sistêmica no país, através da melhoria das leis, do aperfeiçoamento de nossas instituições, do fortalecimento da cidadania e a construção de um amplo consenso social sobre o valor da integridade.