Como o controle interno e externo contribui para a conservação da Amazônia?

Webinars mostram o papel fundamental dos órgãos de controle em melhorar a transparência de políticas ambientais na Amazônia, assim como na prevenção de corrupção em obras de infraestrutura da região.

Compartilhe

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

Há pelo menos 70 anos, a floresta amazônica é território de grandes obras de infraestrutura, sendo também impactada por práticas de desmatamento e extração ilegal de madeira. O bioma guarda 10% da biodiversidade do planeta e os danos ambientais não passam despercebidos: fauna, flora, povos indígenas e comunidades tradicionais são os mais diretamente afetados. O enfrentamento aos problemas relacionados a questões ambientais tem tomado a agenda global, e, no Brasil, o controle interno e externo na Amazônia se mostra como potencial mecanismo para a redução de impactos socioambientais. 

Pensando nisso, a Transparência Internacional – Brasil, o Conselho Nacional de Controle Interno (CONACI) e a Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon) promoveram uma série de quatro webinars com o tema “O papel do controle interno e externo na Amazônia: infraestrutura, meio ambiente e uso da terra”. Os episódios foram ao ar entre 24/08 e 02/09 e estão disponíveis para assistir pela internet. 

Na abertura da série de webinars, Leonardo de Araújo Ferraz, presidente do CONACI; Fábio Túlio Filgueiras Nogueira, presidente da Atricon; e Bruno Brandão, diretor-executivo da Transparência Internacional – Brasil; e na mesa virtual de debate, Hugo Chudyson Araújo Freire, secretário de Controle Externo da Agricultura e do Meio Ambiente do Tribunal de Contas da União  (TCU); Leonardo de Araújo Ferraz, presidente do CONACI; e Vivi Niemenmaa – diretora adjunta do Gabinete Nacional de Auditoria da Finlândia e chefe do Secretariado do Grupo de Trabalho de Auditoria Ambiental da INTOSAI (WGEA); com mediação de Renato Morgado, gerente de Meio Ambiente e Clima da Transparência Internacional – Brasil.

Clique aqui [link para o PDF] e tenha acesso ao Relatório Memória com um resumo mais detalhado sobre os principais pontos discutidos nos webinars.

Controle na prevenção do desmatamento 

O desmatamento e a extração ilegal de madeira na Amazônia contribuem para o aumento das emissões de gases de efeito estufa no Brasil, agravam o aquecimento global e prejudicam toda a vida terrestre. Não é à toa que o clima e a perda da biodiversidade são fatores de risco elencados por stakeholders ao Working Group on Environmental Auditing da INTOSAI (International Organization of Supreme Audit Institutions). A organização também destaca as mudanças climáticas como principal tópico para auditorias até 2023. 

Considerando o papel que o Brasil representa para o equilíbrio climático, a realização de auditorias para o meio ambiente exige equipes de profissionais com saberes diversos e uma visão integrada do ecossistema com a transparência pública e as finanças sustentáveis. Esse papel é desempenhado por órgãos de controle interno como a Controladoria-Geral do Estado de Rondônia, na verificação da integridade socioambiental no setor florestal estadual e em trabalho direcionado sobre os possíveis pontos que poderiam ter ações de fiscalização, executado em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Ambiental e provocado pela Transparência Internacional – Brasil. 

Rafael Di Bello, secretário de Operações Especiais em Infraestrutura do TCU; Raoni Rajão, professor no Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); e Cézar Leão Colares – conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios do Pará (TCM PA); com mediação de Amanda Faria Lima, consultora para governo aberto da Transparência Internacional – Brasil.  

A atuação em parceria com a gestão ambiental para melhorar a governança também é evidenciada no controle externo, por exemplo, em ações do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas de avaliação de efetivo para controle e combate a crimes ambientais, bem como no acompanhamento de execução de ações do Plano Estadual de Prevenção e Controle do Desmatamento e Queimadas, também nas auditorias operacionais de licenciamento ambiental, de Unidades de Conservação, além de representações sobre desmatamentos e queimadas ilícitas.  

Em uma percepção mais ampla, integrada e transversal, o controle interno e externo na Amazônia pode ainda estruturar arranjos institucionais para a maior participação da sociedade civil. Consultas públicas em linguagem acessível, portais de transparência ativa, canais de Ouvidoria e campanhas de engajamento são algumas medidas de transparência que podem aproximar todos os atores envolvidos.  

Promoção da integridade e transparência em obras de infraestrutura 

O setor da infraestrutura é destacado por atores internacionais, como a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e o Banco Mundial, como um dos mais vulneráveis à corrupção e à má gestão de recursos investidos. Espaços de reduzida participação social e baixa transparência elevam a complexidade do cenário e a relevância dos órgãos de controle para a promoção da integridade e sustentabilidade.  

Benedito Antônio Alves, conselheiro do Tribunal de Contas de Rondônia  (TCE RO); Otávio de Souza Gomes, controlador-geral do Estado do Amazonas (CGE AM); Biviany Rojas Garzon, coordenadora do Programa Xingu do Instituto Socioambiental (ISA); e Anderson Uliana Rolim,presidente do Instituto Brasileiro de Auditoria em Obras Públicas (IBRAOP); com mediação de Renato Morgado, gerente de Meio Ambiente e Clima da Transparência Internacional – Brasil.

Diante da correlação entre corrupção e danos ambientais em obras de infraestrutura superfaturadas e sem qualidade, atrasadas ou se revelando inviáveis, o trabalho do Tribunal de Contas da União (TCU) na Amazônia passa pela prevenção à ineficiência na alocação e aplicação de recursos. Identificando superfaturamentos e promovendo a responsabilidade e accountability, o controle externo pode apoiar a gestão a identificar e resolver problemas, desenvolvendo aprimoramentos para controles internos e lideranças.  

O IBRAOP (Instituto Brasileiro de Auditoria em Obras Públicas) destaca que a atenção dispensada à questão ambiental ainda não é suficiente, dada a desconstituição legislativa, normativa e a precarização dos órgãos de fiscalização. E propõe, ao planejamento dos órgãos de controle para 2022, uma diretriz de atuação focada nos impactos socioambientais e na atuação conjunta para sua mitigação. 

Processos de escuta à diversidade de vozes, incluindo o direito à Consulta Livre, Prévia e Informada dos povos indígenas e comunidades tradicionais da Amazônia, como demonstra a experiência do Instituto Socioambiental (ISA) no Projeto Xingu, aumentam a transparência e contribuem para a avaliação da viabilidade econômica, social, ambiental e cultural de projetos em consonância com a agenda global, entendendo o direito ao meio-ambiente sustentável como um direito fundamental.  

Diálogos possíveis 

A atuação multifacetada de órgãos de controle na Amazônia se mostra essencial para a conservação do bioma ao promover a transparência e a integridade. De maneira colaborativa com a gestão ambiental e participativa com a sociedade civil, se constrói no presente um futuro sustentável para todos. Tanto no nível da União, quanto dos Estados, as experiências compartilhadas são ricas e diversas, e evidenciam resultados que podem ser decisivos para a justiça social e climática no Brasil – consequentemente, no mundo. Para saber mais sobre o controle interno e externo na Amazônia e na conservação do bioma, assista à série de webinars

Acompanhe nossas redes sociais